Sudão entregará o ex-ditador Omar al Bashir para o Tribunal Penal Internacional

O Sudão entregará o autocrata de longa data Omar al-Bashir ao Tribunal Penal Internacional, juntamente com outras autoridades procuradas pelo conflito de Darfur, disse o ministro das Relações Exteriores, Mariam al-Mahdi, na quarta-feira.

Bashir, de 77 anos, é procurado pelo TPI há mais de uma década por acusações de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade na região sudanesa.

O “gabinete decidiu entregar oficiais procurados ao TPI”, disse Mahdi à mídia estatal, sem dar um prazo.

As Nações Unidas afirmam que 300.000 pessoas foram mortas e 2,5 milhões deslocadas no conflito de Darfur, que eclodiu na vasta região oeste em 2003.

Bashir, que governou o Sudão com punho de ferro por três décadas antes de ser deposto em meio a protestos populares em 2019, está atrás das grades na prisão de alta segurança de Kober, em Cartum.

O TPI, com sede em Haia, emitiu um mandado de prisão para Bashir em 2009 por crimes de guerra e crimes contra a humanidade em Darfur.

Ela emitiu outro mandado contra ele no ano seguinte por genocídio, mas ele desafiou abertamente o tribunal ao viajar repetidamente para o exterior.

A decisão de entregá-lo ocorreu durante uma visita ao Sudão do promotor-chefe do TPI, Karim Khan.

O procurador-geral do Sudão, Mubarak Mahmoud, disse na terça-feira em uma reunião com Khan que seu escritório estava pronto para cooperar “com o TPI em todos os casos, especialmente as vítimas da guerra de Darfur, a fim de fazer justiça a eles”.

Bashir foi deposto pelos militares e detido em abril de 2019, após quatro meses de protestos em massa em todo o país contra seu governo, depois que seu governo triplicou o preço do pão.

O ex-homem forte foi condenado em dezembro de 2019 por corrupção e está em julgamento em Cartum desde julho de 2020 pelo golpe de 1989 apoiado pelos islâmicos que o levou ao poder.

A Amnistia Internacional apelou anteriormente para que Bashir fosse responsabilizado por “crimes horríveis”, referindo-se ao genocídio em Darfur.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Comments (0)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *