Siga nossas redes

Mundo

Exército do Sudão concorda em restituir Abdalla Hamdok como primeiro-ministro

Published

on

Um acordo político foi assinado no Sudão permitindo que Abdalla Hamdok seja reintegrado como primeiro-ministro.

O principal general do Sudão, Abdel Fattah al-Burhan, assinou o acordo neste domingo (21/11/2021) com Hamdok para restaurar a transição para o regime civil quase um mês após um golpe militar.

O acordo de 14 pontos, assinado no palácio presidencial em Cartum, prevê a reintegração de Hamdok como primeiro-ministro.

O acordo também prevê a libertação de todos os presos políticos detidos durante o golpe e estipula que uma declaração constitucional de 2019 seja a base para uma transição política, de acordo com detalhes lidos na TV estatal.

“Devo começar dizendo que nosso país é guardado e preservado por Deus Todo-Poderoso e seja lá o que chegarmos no beco sem saída, meus compatriotas sudaneses são capazes de restaurar nosso país de volta ao curso,” disse Hamdok.

“Quando aceitei a designação como primeiro-ministro interino, percebi que a estrada não estava repleta de rosas, seria uma tarefa assustadora, repleta de riscos e perigos. No entanto, dando as mãos, todos podemos evitar que nosso país mergulhe no desconhecido. Devemos todos nos unir para permitir que o povo decida quem vai assumir e controlar as rédeas do poder.

“A assinatura deste acordo político-quadro abrirá portas para abordar todas as questões pendentes do período de transição ao longo dos últimos dois anos e, com esta parceria, conseguimos muito. Trouxemos o Sudão de volta à comunidade internacional, levantamos seu nome da lista negra de terroristas e muitas outras conquistas. No entanto, ainda temos muitos desafios pela frente ”, acrescentou.

Ainda não está claro quanto poder o governo teria.

O golpe, mais de dois anos depois que um levante popular forçou a remoção do governante de longa data Omar al-Bashir e seu governo, atraiu críticas internacionais.

O povo sudanês tem saído às ruas em massa desde o golpe militar, que interrompeu a frágil transição do país para a democracia.

O acordo chega poucos dias depois de os médicos afirmarem que pelo menos 15 pessoas foram mortas por tiros durante as manifestações anti-golpe.

*Informações do site Aljazeera

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Click para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As mais lidas