Governo diz que novo estudo mostrou que ‘horário de verão’ não resulta em economia de energia

Em meio à crise hídrica, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou, na última sexta-feira (22/10/2021), em um estudo realizado a pedido do Ministério de Minas e Energia (MME), que o horário de verão não traz “benefícios relevantes” para a economia de energia. A medida foi extinta pelo próprio governo de Jair Bolsonaro (sem partido), ainda em 2019.

Em nota, a pasta disse que não retomará o horário de verão, mesmo diante da escassez hídrica, e que as ações tomadas pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) e pela Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética (CREG) “têm se mostrado suficientes para garantir o fornecimento de energia elétrica ao SIN na transição do período seco para o período úmido”.

Segundo o estudo, não foi identificada economia significativa de energia, “pois a redução observada no horário de maior consumo, ou seja, das 18h às 21h, é compensada pelo aumento da demanda em outros períodos do dia, especialmente no início da manhã. Além disso, pelas prospecções realizadas pelo ONS, não haveria impacto sobre o atendimento da potência, pois o horário de verão não afeta o consumo no período da tarde, quando se observa a maior demanda do dia”.

“Assim, o MME concluiu que a aplicação do horário de verão não produz resultados na redução do consumo nem na demanda máxima de energia elétrica ou na mitigação de riscos de déficit de potência”, completou.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Comments (0)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *