Zelensky, líder ucraniano, pede que Putin se reúna no leste devastado pela guerra

O presidente Volodymyr Zelensky convidou na terça-feira (20/04/2021) o líder russo Vladimir Putin para se reunir no leste da Ucrânia, devastado pela guerra, enfatizando que milhões de vidas estavam em risco devido aos novos combates no conflito separatista.

A oferta contundente de negociações veio após um surto de confrontos entre o exército ucraniano e separatistas pró-russos que controlam duas regiões no leste do país, levantando preocupações de uma grande escalada na guerra latente.

Em um discurso à nação, Zelensky disse que negociadores ucranianos e russos haviam discutido recentemente planos para que as autoridades viajassem para a linha de frente do conflito de trincheiras para avaliar a situação.

“Estou pronto para ir ainda mais longe e convidá-los a se reunirem em qualquer parte do Donbass ucraniano onde a guerra esteja ocorrendo”, disse Zelensky.

O presidente ucraniano, eleito em 2019 com a promessa de encerrar o conflito, acusou a Rússia de participar das negociações de paz enquanto concentrava tropas na fronteira com a Ucrânia.

“Um número considerável de tropas russas está concentrado perto de nossa fronteira”, disse ele. “Oficialmente, a Rússia chama isso de exercícios militares. Extraoficialmente, o mundo inteiro chama isso de chantagem.

“O presidente russo disse uma vez que se uma luta é inevitável, você precisa atacar primeiro. Mas todo líder precisa entender que uma luta não deve ser inevitável quando se trata de uma guerra real e milhões de vidas humanas.”

A Ucrânia, a União Europeia e os Estados Unidos deram recentemente o alarme sobre novas tensões e acusaram a Rússia de reunir dezenas de milhares de militares nas fronteiras norte e leste do ex-país soviético.

A UE estimou na segunda-feira o número de soldados russos ao longo da fronteira com a Ucrânia em mais de 100.000 durante as negociações com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, que encorajou os países ocidentais a atacar a Rússia com um pacote mais profundo de sanções econômicas sobre o conflito.

Kiev tem lutado contra separatistas pró-russos nas regiões orientais de Donetsk e Lugansk desde 2014, após a anexação da península da Crimeia por Moscou – um movimento que mergulhou os laços da Rússia com o Ocidente para novos mínimos e levou a penalidades econômicas.

O conflito, que já custou mais de 13.000 vidas, viu 30 soldados ucranianos mortos desde o início do ano, em comparação com 50 em todo o ano de 2020.

***Informações do site RFI

Comments (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: