Siga nossas redes

Mundo

Rebeldes do huthis atacam refinaria de petróleo na Arábia Saudita

Published

on

Um ataque rebelde iemenita a uma usina de petróleo saudita provocou um grande incêndio perto do circuito de Fórmula 1 de Jeddah durante os treinos na sexta-feira (25/03/2022), parte de uma onda de ataques às instalações da Aramco.

A fumaça subiu perto do circuito e os motoristas reclamaram do cheiro no mais visível dos 16 ataques de drones e mísseis reivindicados pelos rebeldes apoiados pelo Irã em todo o país.

A onda de ataques ocorre antes do sétimo aniversário da intervenção militar de uma coalizão liderada pela Arábia Saudita contra os huthis no Iêmen, um país em meio a uma grande crise humanitária.

Os preços do petróleo dispararam desde que a invasão da Ucrânia pela Rússia provocou temores de oferta, levando as potências ocidentais a implorar aos países da Opep que aumentem a produção.

Os ataques tiveram como alvo “instalações da Aramco em Jeddah e instalações vitais na capital do inimigo saudita, Riad”, tuitou o porta-voz militar huthi Yahya Saree.

Instalações da gigante petrolífera Aramco também foram atacadas em Jizan, Najran, Ras Tanura e Rabigh com “um grande número de drones”, acrescentou.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que luta contra os rebeldes apoiados pelo Irã confirmou o ataque à usina de petróleo de Jeddah.

“Eles estão tentando impactar o centro nervoso da economia mundial”, disse a coalizão em comunicado. “Esses ataques não têm impacto na vida em Jeddah”, acrescentou.

O campeão mundial da Red Bull, Max Verstappen, disse que podia sentir o cheiro das chamas enquanto dirigia nas sessões de treinos que foram transmitidas ao vivo ao redor do mundo.

“Eu posso sentir cheiro de queimado… é o meu carro?” o holandês perguntou pelo rádio da equipe.

Depois de três horas e quarenta minutos de reunião, os pilotos da “Fórmula 1” decidiram manter o “GP da Arábia Saudita” marcada na cidade atacada, e será realizado neste domingo (27/03/2022), porém muita coisa poderá mudar daqui para lá.

Os ataques rebeldes também incluíram uma estação elétrica em Jizan, na fronteira com o Iêmen, que foi incendiada.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita interveio para apoiar o governo internacionalmente reconhecido do Iêmen em 2015, depois que os rebeldes tomaram a capital Sanaa no ano anterior.

A guerra matou centenas de milhares direta ou indiretamente e deixou milhões à beira da fome no que a ONU chama de pior catástrofe humanitária do mundo.

A Arábia Saudita, um dos maiores exportadores de petróleo do mundo, alertou esta semana que os ataques rebeldes representam uma “ameaça direta” aos suprimentos globais.

A Arábia Saudita “não incorrerá em qualquer responsabilidade” pela escassez de suprimentos de petróleo à luz dos ataques huthis apoiados pelo Irã, disse o Ministério das Relações Exteriores.

A declaração na segunda-feira veio um dia depois que o reino reconheceu uma queda temporária na produção depois que os Huthis atacaram uma refinaria com um drone armado.

Confiram o momento do ataque:

*Informações dos sites France24 e o UOL Esporte

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Youtube (Sessão de Notícias)

Click para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As mais lidas