Siga nossas redes

Política

Telegramas revelam que o Governo Federal estava informado sobre iminente invasão russa à Ucrânia

Published

on

Um telegrama enviado pela embaixada brasileira em Kiev revela que o Itamaraty estava informado sobre iminente invasão russa à Ucrânia desde 28 de dezembro de 2021, 45 dias antes de o presidente Jair Bolsonaro embarcar para Moscou. Por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), o Portal SBT News teve acesso a um lote de 60 páginas de documentos inéditos sobre a troca de informações entre diplomatas lotados na Ucrância e o Ministério das Relações Exteriores, em Brasília.

“No campo político, as relações com a Rússia continuam a estar no centro da política externa ucraniana e das principais preocupações. A concentração de tropas russas na fronteira sudeste, na primavera, e mais recentemente no nordeste, tem mantido alto o temor de uma possível invasão do território ucraniano”, escreve o embaixador Norton de Andrade Mello Rapesta. Na sequência o diplomata relata as medidas santitárias por causa da pandemia e outros aspectos burocráticos.

No mês anterior, Norton relata ao Itamaraty encontro com o embaixador Ihor Prokopchuk, diretor do Departamento de Ampericas do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia. Em telegrama do dia 4 de novembro, o diplomata brasileiro escreve ao chefe direto no Brasil, o ministro de Relações Exteriores, Carlos França: “Ao tratarmos do planajemento do diálogo bilateral para os próximos meses, o diretor de Américas sublinhou o convite permanente para que o presidente Jair Bolsonaro e Vossa Excelência (o chanceler) visitem a Ucrânia tão logo seja oportuno”.

Apesar do convite formal enviado ao governo brasileiro, Bolsonaro visitou apenas a Rússia na viagem de fevereiro deste ano. No dia 16 daquele mês, ele se encontrou com o presidente Vladimir Putin e prestou “solidariedade” à Rússia. O brasileiro disse que os países tinham muito a coloborar nas áreas de petróleo, gás, agricultura e defesa. A declaração foi criticada pelo Departamento de Estado dos EUA, que considerou a frase de Bolsonaro como “infeliz”. Quatro dia antes, Norton organizou em Kiev um coquetel para 40 pessoas, incluindo a primeira vice-ministra de Relações Exteriores da Ucrânia, Emine Dzhaparova.

No discurso durante o evento, o embaixador brasileiro Norton disse: “Fico feliz em dizer que, seguindo caminhos próprios, Brasil e Ucrânia acabaram escolhendo os valores centrais que ainda hoje compartilhamos, como a importância do direito internacional e a proteção dos direitos humanos, a proibição do uso da força”. No dia 24 de favereiro, apenas oito dias depois de Bolsonaro pisar na Rússia, Putin ordenou a invasão das tropas na Ucrânia.

Contato da redação ou setor comercial:

Envie Email para: contato@sessaodenoticias.com.br ou clique aqui.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Youtube (Sessão de Notícias)

Click para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

As mais lidas