Ministério da Saúde reduz o envio de doses da vacina BCG, e postos de saúde precisam racionar estoques

Desde o final de abril, quando o Ministério da Saúde reduziu o envio de doses da vacina BCG, postos de saúde pelo país precisaram se adaptar e racionar estoques para evitar o desabastecimento. Estratégias como agendamento prévio, dias específicos para a aplicação e oferta do imunizante apenas em determinadas unidades são implementadas em diversos estados do Brasil. As medidas, no entanto, podem intensificar ainda mais a queda da cobertura vacinal, que está no pior percentual já registrado, por volta de 56%, avaliam especialistas.

Para Patrícia Boccolini, doutora em saúde coletiva e pesquisadora do Observa Infância, projeto da Fiocruz e do Centro Universitário Arthur de Sá Earp Neto (Unifase) que monitora a vacinação de crianças, são entraves que levam a aplicação da vacina a deixar de ser prioridade.

“Os pais chegam no posto para se vacinar e são informados de que não há doses, ou que tem que voltar em outro dia que é específico para a BCG. Só que muitas vezes no outro dia os pais não podem, e a vacina acaba sendo deixada de lado. E pouco tem sido feito em relação a campanhas de vacinação no Brasil, porque não adianta dizer apenas “vai vacinar”, é preciso explicar por que é tão importante para que se torne uma prioridade”, diz a especialista.

Tratamento da cegueira: Córneas feitas com tecido de porco devolvem visão a 14 pessoas; entenda
O pediatra Daniel Becker, sanitarista do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), concorda e destaca que os quadros de tuberculose graves, que são evitados com a BCG, são especialmente perigosos para crianças não vacinadas.

“Existe algo chamado de oportunidade de vacinação. Especialmente quando temos pessoas com pouco acesso aos serviços de saúde, para ela voltar é muito difícil. E o Brasil tem uma das maiores taxas endêmicas de tuberculose, então para o bebê não vacinado a doença pode provocar quadros muito graves. É uma vacina muito importante que definitivamente não pode faltar”, afirma Becker.

Parte do Programa Nacional de Imunizações (PNI), a vacina BCG é feita com uma única dose e é indicada para todos a partir do nascimento até antes de completar 5 anos de idade, de preferência no primeiro mês de vida. Embora não previna 100% a doença, a aplicação em massa consegue evitar o desenvolvimento para formas graves, como a meningite tuberculosa.

A realidade de baixos estoques da vacina BCG acontece no momento em que o país vive quedas sucessivas na cobertura com o imunizante. O último ano em que o Brasil atingiu a meta de vacinar mais de 90% do público-alvo foi em 2018, quando alcançou 99,7% das crianças, segundo dados do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI). Nos anos seguintes, o percentual caiu para 86,7%, em 2019; 74,3%, em 2020; 69,1%, em 2021, e agora está em 56,31%. É a cobertura mais baixa da série histórica, que teve início em 1996, destaca Patrícia, do Observa Infância.

*Informações do site Jornal O Sul

Contato da redação ou setor comercial:

Envie Email para: contato@sessaodenoticias.com.br ou clique aqui.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Youtube (Sessão de Notícias)

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts