Bolsonaro lidera rejeição e ex-presidente Lula pode vencer eleição no 1º turno, diz pesquisa

Uma pesquisa das eleições presidenciais de 2022 , realizada pela Quaest Consultoria – e encomendada pela Genial Investimentos – apontou um complicadíssimo cenário eleitoral para o presidente Jair Bolsonaro: um crescimento na sua avaliação negativa, uma diminuição na procura por nomes de ‘terceira via’ e a possibilidade do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) vencer o pleito ainda no primeiro turno.

 

A condução do Brasil é reprovada por 48% dos entrevistados – número que cresceu 4 pontos percentuais em apenas um mês. Sua avaliação positiva, porém, encolheu nos últimos trinta dias e passou de 26% para 24%. As regiões Nordeste, Sudeste e Sul foram as que apresentaram maior crescimento na rejeição ao mandatário.

 

Em relação ao ex-presidente Lula, o petista lidera as pesquisas no voto espontâneo – quando não se apresenta os nomes dos candidatos – com 23% das intenções de voto. Bolsonaro aparece com 15% e Ciro Gomes (PDT) registraria 1% dos votos. O número de indecisos chegou a notáveis 58%.

 

Com os nomes dos candidatos apresentados aos entrevistados, Lula continua na liderança com 46% da preferência do eleitorado. O atual presidente Jair Bolsonaro possui 26% das intenções, seguido de Ciro Gomes e João Doria (PSDB), que apresentam 8% e 6%, respectivamente. O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), conquistou um ponto percentual.

 

A pesquisa aproveitou para perguntar aos participantes “quem eles preferem que vença as eleições de 2022”. Lula obteve 45% das respostas, um aumento de 3% em relação ao último mês. Bolsonaro percorreu caminho inverso e obteve 23% da preferência, uma diminuição de 3% nos últimos trinta dias. Nem Bolsonaro e nem Lula – ou seja, uma opção de terceira via – registrou uma queda de 3% nas respostas e passou de 28% para 25% das opiniões públicas.

 

O levantamento também questionou os eleitores sobre o desconhecimento dos possíveis nomes da terceira via. A senadora Simone Tebet (MDB-MS) é anônima para 80% dos entrevistados; seguido pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e pelo presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ambos com 60% de desconhecimento; Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) não é conhecido por 43% dos participantes; Doria e Datena (PSL-SP) possuem 19% e 18% de anonimato. (IG)

Comments (0)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *