Connect with us

Mundo

China rejeita pedido da OMS para mais investigação sobre a origem da Covid-19

Published

on

A China rejeitou nesta sexta-feira (13/08/2021) os apelos da Organização Mundial de Saúde (OMS) para uma nova investigação das origens da Covid-19, dizendo que apoiava esforços “científicos” em vez de “políticos” para descobrir como o vírus começou.

Segundo a agência de notícias AFP, a pressão está aumentando mais uma vez sobre Pequim para considerar uma nova investigação sobre as origens de uma pandemia que matou mais de quatro milhões de pessoas e paralisou economias em todo o mundo desde que surgiu pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan.

Uma visita atrasada e fortemente politizada por uma equipe de especialistas internacionais da OMS foi a Wuhan em janeiro de 2021 para produzir um relatório da primeira fase, que foi escrito em conjunto com seus colegas chineses. Não conseguiu concluir como o vírus começou.

Na quinta-feira (12), a OMS pediu à China que compartilhe dados brutos dos primeiros casos de Covid-19 para reavivar sua investigação sobre as origens da doença.

A China respondeu, repetindo sua posição de que a investigação inicial foi suficiente e que os pedidos de mais dados foram motivados pela política em vez de investigação científica.

“Nós nos opomos ao rastreamento político … e ao abandono do relatório conjunto” emitido após a visita da equipe de especialistas da OMS a Wuhan em janeiro, disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Ma Zhaoxu, a repórteres. “Apoiamos o rastreamento científico.”

Esse relatório disse que o vírus pulando de morcegos para humanos por meio de um animal intermediário era o cenário mais provável, enquanto um vazamento dos laboratórios de virologia de Wuhan era “extremamente improvável”. É bom ressaltar que não é a primeira vez que a China rejeita uma nova investigação para concluir qual a origem do vírus, Pequim repetiu o mesmo em outras diversas vezes recentes.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As mais lidas