Connect with us

Mundo

China relata primeiro caso de morte por vírus do macaco B, e diz que infecção entre humanos é muito baixa

Published

on

Segundo informações divulgadas pelo blog estadunidense Gizmodo, no fim de semana, autoridades de saúde chinesas relataram a recente morte de um veterinário causada pelo vírus Monkey B, que ele pegou de um dos animais que manipulava. Embora muitas vezes fatal se não for tratado, o vírus raramente infecta humanos e não é considerado muito contagioso.

O macaco B é uma espécie de herpesvírus que tem muitos nomes diferentes (incluindo apenas vírus B), mas agora é formalmente conhecido como alfa-herpesvírus Macacine 1 ou McHV-1. O nome é uma referência ao seu hospedeiro natural, o amplo gênero de macacos do velho mundo conhecido como macacos. Geneticamente, é um parente muito próximo do vírus herpes simplex-1 e do vírus herpes simplex-2, ou HSV-1 e HSV-2, duas das formas mais comuns de herpes em humanos. O HSV-1 e o HSV-2 podem causar herpes genital ou herpes labial, mas o HSV-1 tende a causar o último e o HSV-2 o primeiro.

Como o HSV-1, o Macaco B em macacos tende a causar feridas leves ou nenhum sintoma. Mas é capaz de causar doenças graves, muitas vezes neurológicas, nas raras ocasiões em que consegue adoecer as pessoas. Desde sua descoberta na década de 1930, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, houve pelo menos 50 casos relatados de Macaco B em humanos, com 21 pessoas morrendo como resultado. A maioria dessas vítimas, como o último caso na China, contraiu-o através do contato próximo com os fluidos corporais de macacos com infecção aguda (muitos vírus do herpes podem permanecer latentes no corpo após a infecção aguda).

No sábado passado, funcionários da versão chinesa do CDC relataram o caso. De acordo com o relatório, a vítima era um veterinário de 53 anos de Pequim que trabalhava em um instituto de pesquisa voltado para a reprodução de primatas. Em meados de março, ele dissecou dois macacos mortos. Cerca de um mês depois, ele desenvolveu náuseas e vômitos, juntamente com febre e outros sintomas neurológicos não descritos.

Em meados de abril, o teste de seu fluido espinhal indicou a possível presença do Macaco B, e mais amostras de sangue e saliva foram coletadas do homem e de dois de seus contatos próximos (um médico e uma enfermeira). Embora o teste tenha confirmado a infecção, as outras duas pessoas deram negativo. Infelizmente, depois de mais de um mês de várias viagens ao hospital, o homem morreu de infecção em 27 de maio. De acordo com autoridades de saúde, é o primeiro caso conhecido e morte atribuído ao Macaco B já documentado na China.

O macaco B pode ser altamente fatal, mesmo com a terapia antiviral agora disponível, mas felizmente parece ser muito difícil de ser infectado. Apenas um caso documentado de transmissão de pessoa para pessoa foi relatado desde 1932, e esse caso era particularmente peculiar. De acordo com o relatório do CDC de 1987 sobre ele, a vítima provavelmente contraiu aplicando o mesmo creme para a pele usado para aliviar as feridas de pele do marido infectado em um ponto em seu dedo que havia sido arranhado com força suficiente para começar a sangrar. O marido e duas outras vítimas no mesmo agrupamento o pegaram trabalhando em um centro de pesquisa.

Isso não quer dizer que o risco seja inteiramente zero para as pessoas, mesmo nos EUA. Alguns anos atrás, descobriu-se que o vírus estava disseminado em uma população de macacos rhesus que viviam no Silver Springs State Park, na Flórida. Embora apenas uma pequena porcentagem desses macacos possa estar ativamente espalhando o vírus a qualquer momento, é um bom exemplo de por que é importante não chegar muito perto da vida selvagem ao nosso redor, não importa o quão fofos ou amigáveis ​​eles possam parecer.

Sigam nossas redes sociais:

Facebook (@sessaodenoticias)

Instagram (@sessaodenoticias)

Twitter (@sessaonoticias)

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As mais lidas