“SOBEJO – Porque ainda é preciso gritar”: no mês da mulher, projeto realiza circuito de lives e espetáculo ao vivo

O espetáculo SOBEJO é um chamamento ao combate contra a violência a mulher. 

Num momento em que os casos de violência doméstica se agravaram, intensificados pela pandemia e que o isolamento social representou também o silenciamento das vítimas que agora passam mais tempo com seus agressores, o projeto “SOBEJO – Porque ainda é preciso gritar” idealizado pela atriz e produtora Eddy Veríssimo traz novamente em cartaz o espetáculo SOBEJO, com três apresentações ao vivo e lives que buscam assinalar a denúncia e guerrilha por meio da arte e debates. O lançamento do projeto ocorre nesta segunda-feira (08), às 19 horas, com exibição da peça no canal do Youtube e segue com mais ações durante o mês de março em comemoração ao mês da mulher como forma de reafirmar o compromisso com a vida e bem estar de mulheres e meninas. 

O monólogo interpretado por Eddy Veríssimo, indicada na categoria de melhor atriz para o Prêmio Braskem de Teatro em 2016, conta com trilha sonora de Roquildes Júnior e tem direção do dramaturgo Luiz Buranga. O espetáculo narra a história de Georgina Serrat, uma mulher que vê sua saúde mental, felicidade e sonhos destruídos quando descobre no casamento a face violenta do marido.

O projeto promove ainda um circuito de seis lives com especialistas no combate ao feminicídio, que acontecerá após a exibição do espetáculo (gravado) no Youtube. A cada encontro, a atriz recebe mulheres que estão na linha de frente no combate a todas as formas de violência contra a mulher, representantes da Ronda Maria da Penha, Conjunto Penal Feminino de Salvador, Ministério Público da Bahia da Vara da Violência Doméstica, Delegacia de Apoio à Mulher (DEAM) – Brotas, Coletivo de Mulheres do Calafate e também da Secretaria de Política para Mulheres (SPM).

SOBEJO – porque ainda é preciso gritar é um chamamento ao público a não se calar perante a todas as formas de violência que uma mulher está suscetível: física, moral, sexual, patrimonial e psicológica. De acordo com o Ministério da Família, Mulher e Direitos Humanos ocorreu um aumento de mais de 50% no número de registros de violência doméstica no período do isolamento social e, por isso, gritar significa aliar-se na proteção de vidas femininas.

Segundo Eddy Veríssimo, um dos objetivos do projeto é “utilizar a arte como ferramenta de transformação, apostando na multiplicação da consciência através do teatro, a fim de evocar outras mulheres a denunciarem seus agressores e sensibilizar toda a sociedade”, disse a atriz.

Os ingressos estão nos valores de R$10 (meia) e R$20 (inteira) e podem ser adquiridos através da linklist do espetáculo ou através da plataforma online do Teatro Gamboa Nova onde ocorrerão as apresentações ao vivo, sempre às 19h.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

Serviço

O quê? Espetáculo Solo Sobejo e Circuito de Lives com especialistas em combate ao feminicídio

Quando? 22/03, 31/03 e 05/04

Que horas? 17h

Onde? Plataforma Virtual do Teatro Gamboa Nova (espetáculo) e Youtube(lives)

Quanto custa? R$20 (inteira) / R$10 (meia)

Informações? @sobejo.espetaculo 

 

Texto: Scila Brito – ASCOM

Comments (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *