Ex-militares da França alertam possível “guerra civil sangrenta” no país

O governo da França condenou uma carta aberta assinada por militares da ativa afirmando que o país está a caminho de uma “guerra civil” por causa do extremismo religioso.

Cerca de 1.000 membros das Forças Armadas, incluindo 20 generais da reserva, assinaram o documento, que culpa “apoiadores fanáticos” por criarem divisões entre comunidades e afirma que islamitas estão tomando conta de regiões inteiras no território francês.

A carta aberta foi publicada uma revista de direita em 21 de abril, data dos 60 anos de um golpe de Estado fracassado no país. “O momento é grave, e a França está em perigo.”

Marine Le Pen, líder da extrema-direita na França e candidata na eleição presidencial de 2022, saiu em apoio aos signatários da carta.

Por outro lado, o documento foi duramente criticado por ministros franceses, que apontaram desrespeito à lei e falta de representatividade (as Forças Armadas do país têm mais de 300 mil membros, e milhares de oficiais na reserva).

A ministra responsável pelas Forças Armadas, Florence Parly, afirmou no Twitter: “Dois princípios imutáveis guiam as ações de militares em relação à política: neutralidade e lealdade.”

Comments (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *